Resenha A arte da guerra – Sun Tzu

Resenha escrita por Flávio Cesnik

Livro, originalmente escrito há mais de 2000 anos, contém princípios militares. Ao analisar um exército o autor estabelece quando atacar, quando está fraco e quando recuar. Descreve um General como alguém que avalia perfeitamente a sua posição e que conhece e domina seu exército muito bem, com palavras e atitudes.

Capítulo I – Avaliações

Sun Tzu divide as avaliações em 5 etapas

O caminho,tempo, terreno,lideranças e terra.

No caminho a mensagem é clara,que o seu exercito tem que estar em harmonia.

O tempo, é que tudo na vida tem um pingo de mal e todo o mal tem um pingo de bom (Yin e o Yang)

O terreno, temos que saber como andar , saber se os espaços são abertos ou fechados.O bom general tem que saber bem sobre o seu terreno pois ele é um grande oponente ou um grande aliado, um dos grande exemplos é a Guerra do Vietnã onde as tropas americanas não conheciam o terreno que foi um fator aliado aos vietnamitas.

A Liderança, se o general não é sábio, sincero corajoso e disciplinado não é um general.

As Regras, para tudo temos que criar regras inclusive em uma guerra, pois sem as regras não sabemos como lidar.

Uma Guerra se baseia na lei do engano.Meu oponente acha que sabe o meu próximo passo,porém não sabe como eu vou agir.Esta é uma das formas, quanto mais incapaz o seu oponente achar que você é, melhor. A melhor forma de agir em uma guerra é o ataque , pois na desordem seu oponente está fraco. Sempre faça avaliações para que indiquem a sua vitória ou sua derrota, se fizer direito as avaliações saberá a hora de atacar e de recuar.

A grande frase desse Capítulo é “A Lei da Guerra se baseia no engano“

Capítulo II – O Combate

Quanto maior o tempo de combate maior é o desgaste das tropas, quanto mais você requisita a sua tropa mais se desgasta. Uma Guerra longa não é benéfica para ninguém é apenas desgastante.

O bom comandante é aquele que se mantem as custas dos inimigos, a cada 1 roubado vale por 20 que temos em estoque.

Quando se tem alguém aprisionado trate-o bem para ele não ser um oponente e sim uma força agregada. Acredito aqui que o Sun Tzu pensou que esse material humano seria para no fim  ter  um espião.

Ele também coloca que usar a força oponente é bom pois você economiza energia, nota-se muito bem na arte marcial Aikido.

Frase principal do capítulo “Quem sabe usar armas, não convoca seu exército duas vezes nem lhe dá três refeições”

Capítulo III – Estratégia de Ataque

Combater destruindo é burrice, pois o que está conquistando perde o seu valor, guerrear angariando tropas e terreno sem destruir é a melhor forma de conquista.

Se o general é forte ele angaria o poder se ele é fraco trabalha na defensiva.

Frase do capítulo “Conheça a si mesmo e ao inimigo e, em cem batalhas, você nunca correrá perig

Capítulo IV – Preparação

O grande erro da guerra é conhecer apenas o seu oponente e não conhecer a si mesmo. Conhecendo muito a si mesmo a guerra fica mais “fácil” para quem combate,pois ai você sabe onde está a sua vulnerabilidade, os seus defeitos e suas virtudes. Antes de iniciar qualquer guerra saiba sobre seu oponente mas saiba mais sobre você.

Frase do capítulo “Ser invencível significa conhecer a si mesmo, ser vulnerável significa conhecer o outro”

Capítulo V – Propensão

Um líder é um líder se souber gerenciar um soldado ou um batalhão de cem homens, tem apenas que criar palavras toques e sinais para assim comanda-los.

Uma das grandes sabedorias de um comandante é fazer com que o seu inimigo ande conforme você deseja não como ele quer, tendo sempre que gerar vontades.

Frase do capítulo; “Existem apenas cinco notas na escala musical, mas as suas combinações são inimagináveis; somente cinco cores básicas mas nunca vimos todas as suas misturas; há cinco sabores, mas suas variações ilimitadas”

Capítulo VI – O Cheio e o Vazio

A garantia de defesa é sempre o melhor ataque.Estar  sempre primeiro em locais onde o inimigo vai estar.Chegar primeiro e obter um local vantajoso para se ocupar, assim  que as tropas inimigas chegam o seu oponente já está cansado e desorganizado perante as suas tropas isso remete a uma fraqueza.

Nunca o deixar a vontade sempre que puder o incomode, ser misterioso, é uma das grandes armas da guerra pois se consegue controlar o inimigo sem ser percebido.

Saber qual a formação do inimigo é uma virtude, pois você montará a sua formação fazendo a defesa da dele, se houver a defesa de todos os lados você está fraco em todos os lados com isso mostrará ao seu oponente uma fraqueza total do seu exercito.

Frase do capítulo “A água não tem forma constante; um exército também não. Por essas razões, pode-se dizer que quem alcança a vitória se adaptando às circunstâncias é alguém genial.”

Capítulo VII – Manobras

Em regra geral quem dominar as manobras, dominar as distâncias e transformar os problemas em vantagens, isso é uma grande regra geral da manobra. Movimentar um exército todo para obter vantagens é praticamente perde-los.

Se não conhecer muito bem o inimigo e tentar se aliar a eles está fazendo má aliança. Uma das grandes regras é o controle do coração, usar a ordem com a desordem, a calmaria para a agitação.

Utilizar todos os artifícios básicos para uma guerra é essencial, o olfato (com fogueiras), a audição (com tambores), a visão (com grandes tochas)  mas a fala usar o mínimo possível pois assim seu oponente sabe onde está a sua tropa e o seu general.

Frase do capítulo “…Um comandante sem coragem acaba com o ânimo da tropa.”

Capítulo VIII – As Nove Mudanças

As grandes artes aqui são nunca colocar seus comandados em risco nem o seu rei, ocupar o inimigo sempre, não se preocupar com pequenas coisas e pequenas conquistas. Saber exatamente como se portar como líder, sendo um mix de tudo do temerário ao bondoso, do covarde ao corajoso, do exaltado ao conquistado, do moralista ao mentiroso.

Frase do capítulo; “Existem ordens vindas do soberano que não devem ser obedecidas.”

Capítulo IX – Sobre a Movimentação

Uma das grandes estratégias da guerra é saber onde você está posicionado, nunca se posicione mal isso gera a derrota. Quando o seu inimigo está muito calmo isso é um sinal de que ele esta forte e bem preparado.

Uma grande regra é estar bem alimentado e bem descansado um exercito exauto é um exercito perdedor.

Saber bem quem é o seu inimigo é uma grande arte na guerra.

Frase do capítulo; “Analise o inimigo; conquiste-o para si. Nada mais será preciso

Capítulo X – O Terreno

Conhecer onde você está é muito importante, não saber o terreno é preocupante e um grande fator para a perda. A insubordinação  é um grande fator para a perda, o general que não tem os seus subordinados bem alinhados com ele não terá conquistas.

Frase do capítulo; “O bom general cuida dos seus como criança, e estes o seguem até mais profundo dos vales. Trata os soldados como filhos, e estes morrerão ao seu lado.”

Capítulo XI – Os Nove Territórios

Saber exatamente qual o seu território é essencial para uma guerra, estudar qual está é imprescindível. Saber atacar mas não aonde te atacam, saber atacar com a sua “defesa”.

Grande parte da guerra é feita pela administração de tensões, sabendo fazer isso sabe governar sob guerra.

Saber o que o inimigo tem faz parte, use a tensão até o extremo, um exercito que sabe o que quer vai por amor a guerra.

Frase do capítulo; O General tem o seu apoio, sem pedir; tem sua dedicação sem a exigir; tem sua lealdade e amizade espontaneamente.” 

Capítulo XII – Ataque com fogo

Quando Sun Tzu fala sobre o fogo, acredito que seja para não usarmos forças erradas, ou seja usar muito para pouco e usar pouco para muito. Saber a hora de atacar. Usar os pesos e medidas.

Frase do capítulo; “bons governantes deliberam planos, e bons generais os executam.”

Capítulo XIII – O uso de Espiões

Os espiões são maus necessários onde eles trazem informações valiosas e levam ao que o comandante quer.

Frase do capítulo; “Quem não for sábio ou esperto, humano e justo, não pode usar espiões.”

CONCLUSÃO

O Livro “A Arte da Guerra” veio para mudar o pensamento “business” da cabeça dos empresários. Ele vem para gerar mais estratégias e como lidar com situações de conflito.

No mundo do meu trabalho, vejo isso constantemente.Onde há um chefe que não sabe gerenciar a sua tropa e existe sempre a intervenção dos diretores.

Quando Sun Tzu fala no capítulo 1 das Avaliações e que temos que avaliar o caminho, tempo, terreno, lideranças e terra, avalio aqui na corrida do mercado de trabalho para o empreendedor que o terreno é o espaço físico ou de mercado em que estamos, o caminho é onde estamos e qual o mercado que queremos chegar, o tempo é claro tempo é dinheiro , o mundo avançou tanto onde não se fala mais em valor mês e em valor dia hoje se avalia em hora trabalhada.  Liderança qual e quais são os seus lideres.

Pensando em combate é o dia a dia o oponente, não gastar muitas forças com o seu concorrente use as forças dele para o combater.

Estratégia de Ataque, nada mais é que a politica que você age com o seu cliente e  concorrente, sabendo como agir com ele ser agressivo ou sutil.

Preparação, no mercado competitivo temos que nos conhecer muito bem , esta é uma forma de estarmos no mercado.

Na propensão, o líder tem que saber trabalhar em grupo,saber como falar, vejo muito bem isso no proprietário de TV o Sr Silvio Santos.

No Livro em geral o mais importante é saber lidar com um todo, n o que fazer e no como fazer ele se torna de grande valia.

BIBLIOGRAFIA

da Silva Bueno, André, A arte da guerra: os treze capítulos originais / Sun Tzu; adaptação e tradução André da Silva Bueno – São Paulo: Jardim dos Livros, 2011.

Google imagens